quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Anedotas

Um sujeito está jantando e a comida é tão ruim que ele não agüenta :
- Por favor, garçom, eu não consigo engolir esta comida. Chama o gerente.
- Não adianta.  Ele também não vai conseguir.
(Ziraldo) 

Expressões Idiomáticas de Nossa Língua Portuguesa

Abrir o coração 
Bicho-de-sete-cabeças
Botar as barbas de molho
Cara amarrada
Cair a ficha
Cair o queixo
Coisa sem pé nem cabeça
Comer o pão que o diabo amassou
Com a pulga atras da orelha 
Comprar gato por lebre
Chorar pelo leite derramado
Dar um sorriso amarelo
Dar no pé
Dar uma colher de chá 
Dar um teppo
Descascar abacaxi 
Deixar a peteca cair
Dor-de-cotovelo
Engolir sapos
Estar com a cabeça nas nuvens
Entrar pelo cano
Entregue as baratas
Fechar o tempo
Greve de fome
Jeito de quem comeu e não gostou
Maria-vai-com-as- outras
Não vale um tostão furado 
Pagar Mico
Pisar em ovos
Quebrar a cabeça
Ser um peixe fora d'água
Subir na vida
Ter as cartas na mão 
Ter minhocas na cabeça
Tirar água dos joelhos
Um deus-nos-acuda
Vá lamber sabão 

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Folclore Brasileiro - Saci-pererê

O saci-pererê é uma figura lendária do nosso folclore. É um negrinho de uma perna só, que usa um capuz vermelho e tem sempre um cachimbo na boca.  Com o seu assobio enlouquecidor e um redemoinho causado por seus giros, aparece para perturbar a vida de todo o mundo. É um verdadeiro capetinha que quebra a telha, assusta o cachorro, maltrata as galinhas, entre outras peraltices.

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

New York, New York

"... Nova York é uma cidade que sabe o que quer.   Ela pulsa, a energia circula.  Diz a que veio...
Não pede licença para ser.  Ela simplesmente é.
Devagarinho, muito devagarinho, o ritmo frenético vai cedendo lugar aos prazeres.  Os prazeres de Nova York ! É cidade para ser degustada com os cinco sentidos...
Nova York abre suas portas para a história e nos transporta para outros tempos.
O coração da cidade palpita e irradia por sua artérias o calor da singularidade.  Nova York é única...
É uma cidade que se transforma e transforma a alma de quem mergulha em seus mistérios...
É intensa a ponto de ser, às vezes, assustadora.  Não há como controlá-la ou controlar-se.  É se entregar e aspirar novos sonhos...
Com toda a potência, Nova York é sólida.  Seus pilares, mesmo quando abalados, se reconstroem..."
(Cláudia Lisboa)